PETRÓPOLIS: DICAS DO QUE FAZER NA CIDADE IMPERIAL

         

Foto: Museu Imperial.

          O Memória Viajante aproveitou as férias e foi conhecer um dos destinos turísticos mais procurados do estado do Rio de Janeiro: a cidade de Petrópolis, na Serra Fluminense. Muitas pessoas optam por um bate e volta do Rio e conhecem a cidade em apenas um dia. Nós pensamos que para curtir bem a cidade o ideal é passar pelo menos uma noite por lá. Como estávamos com a Sofia, de apenas dois meses e meio, optamos por destinar três dias para a cidade a fim de curti-la com calma e no tempo da Sofia, sem correria.

                Alugamos um carro já na chegada do aeroporto no Rio. De lá até Petrópolis são aproximadamente 60 km de estrada em boas condições. Levamos cerca de uma hora e meia de viagem. A paisagem serrana é muito bacana, com belas paisagens e alguns mirantes para obter belas fotografias. Já na chegada da cidade, bem próximo do Pórtico de entrada está uma “atração” da cidade: a Casa do Alemão. O restaurante é bastante conhecido por servir vários pratos tradicionais. O prato chefe da casa é o pão com linguiça, realmente uma delícia.

             Com clima bastante agradável (mesmo no verão faz um friozinho no final do dia), a cidade de Petrópolis também é conhecida como a cidade imperial, pois foi fundada pelo próprio Dom Pedro II para fugir do forte calor do Rio de Janeiro. Posteriormente a cidade recebeu vários colonizadores europeus, especialmente alemães. Esses marcaram fortemente a arquitetura das construções locais.

                Um bom passeio pela cidade começa pelo belo Palácio Imperial. (foto ao lado) Ali é possível ter uma boa noção da história da cidade e do contexto geral do Brasil Imperial. Dentro do museu está o maior acervo do período imperial. O ingresso custa R$ 10,00. Como o piso é original, é necessário colocar um sapato de pano por cima dos calçados para caminhar por ali. A mobília, os quadros e as peças do museu valem muito a visita. É possível ver, por exemplo, a caneta com que a Princesa Isabel assinou a Lei Áurea e a coroa de Dom Pedro II. Aproveite também para descansar e curtir os jardins do Museu, um lugar agradável e tranquilo em meio ao centro da cidade.

          Em frente ao Museu Imperial partem trenzinhos que fazem um passeio de 25 minutos e passam pelos principais atrativos turísticos da cidade. É legal para se ter uma ideia geral da cidade. Você pode descer e subir em qualquer ponto turístico. O Trenzinho Imperial custa R$ 12,00 por pessoa. É possível fazer o mesmo trajeto de charretes. Você encontrará várias delas esperando pelos turistas em frente ao Museu Imperial.

Foto: Catedral São Pedro de Alcântara.

            Pertinho do Museu está a Catedral São Pedro de Alcântara, com entrada gratuita. Com estilo gótico, a catedral abriga o mausoléu imperial, com os restos mortais de Dom Pedro II,  Princesa Isabel, entre outros. Na frente da Catedral está a casa da Princesa Isabel. Ela não está aberta a visitação, mas vale a pena prestigiar a arquitetura externa do local. Pertinho dali está a Casa da Ipiranga, também conhecida como Casa dos Sete Erros.

Foto: Palácio de Cristal.

                O Palácio de Cristal é uma construção de 1884 e foi um presente de Conde D´eu para sua esposa, a Princesa Isabel. O seu entorno abriga jardins onde é possível fazer uma pausa para o descanso. O local recebe eventos culturais e exposições.

           Em frente aos principais casarões da cidade existem placas que explicam a origem do prédio. Visitamos o Palácio Rio Negro (foto ao lado), conhecido por ser o Palácio de verão de muitos presidentes do Brasil. Construído em 1889, o Palácio tem entrada gratuita. É bem bonito, mas está precisando de manutenção.

             Também no Centro Histórico está a Casa de Santos Dumont (foto ao lado), onde é possível ter uma boa noção da vida do aviador. Na praça de mesmo nome está uma réplica do 14 Bis.

                            Um outro atrativo da cidade é a Cervejaria Bohemia, primeira cervejaria do país, fundada em 1853. A visita guiada custa R$ 32,00 por pessoa e vale muito a pena mesmo. Totalmente reformada, ali é possível aprender um pouco mais da história da cerveja, bem como seus ingredientes, modo de preparo. Tudo isso com muita interatividade, tecnologia e claro, degustação de três tipos de cerveja.

          Mais afastado do Centro Histórico está o Palácio Quintandinha, o qual não visitamos. Foi construído em 1944 para ser o maior hotel cassino da América do Sul.

               Para comer e beber, indicamos dois lugares que adoramos: o Restaurante Casa D´Angelo e o Restaurante Bragança. O primeiro com mais de 100 anos serve um chope bem gelado com muitos petiscos saborosos. O segundo é um restaurante tipicamente português que serve deliciosos bolinhos de bacalhau, feitos pela própria dona que é portuguesa.

                Para se hospedar indicamos a Pousada Princesa Isabel – Dom Pedro, bem no Centro Histórico. Contamos mais sobre ela nesse post aqui.

                Gostou dessas dicas? Compartilhe com seus amigos!

(Visited 114 times, 1 visits today)

Comments

comments